Prova de inglês

Prova de inglês: conheça as pegadinhas mais comuns

Se você está se preparando para algum tipo de avaliação, tudo que não quer é cair em algumas pegadinhas e colocar tudo a perder. Nada mais natural, já que foram muitos meses de esforço e dedicação (e o resultado natural deveria ser uma boa pontuação). No caso da prova de inglês, a realidade não é diferente. Ainda assim, as ciladas podem ser ainda mais sutis, já que estamos falando de uma língua que não é a nossa e um detalhe crucial pode acabar passando despercebido.

Para não sofrer nesse sentido, saiba hoje quais são as principais pegadinhas e fique atento para não cair nesse erro. Vamos lá?

A prova de inglês

A presença do inglês é crescente no nosso dia a dia e prova disso são as diversas palavras importadas com que temos contato todos os dias. E o pior de tudo é que muitas vezes nem nos damos conta de que elas são estrangeiras.

Tudo isso acontece porque estamos imersos em uma cultura na qual o inglês é o centro – se não acredita, analise os filmes e séries que assiste e as marcas de roupas que compra.

Ainda assim, alguns pontos podem acabar pegando os distraídos, derrubando-os em uma prova para o mestrado, o Enem ou até de nivelamento (como TOEFL ou IELTS).

As pegadinhas mais comuns

Para ir direto ao ponto, conheça hoje as principais pegadinhas existentes numa prova de inglês.

Achar que precisa entender tudo

Já falei isso aqui em outras postagens e muitas pessoas acham que precisam entender tudo do enunciado (seja escrito ou online) para conseguir encontrar a opção correta. Esse método pode acabar fazendo com que você se sinta mais pressionado, aumentando as chances de não entender o contexto geral e acabar perdendo o “fio da meada”.

Pense que todo o contexto faz diferença. Então, fique esperto e relacione as informações e analise as imagens (caso elas existam, claro) de uma maneira geral. Entenda que o importante é captar a ideia geral, pois a maioria das questões abordam isso. Quando forem mais específicas, ainda assim você deve focar nos detalhes – mas apenas se a questão da prova de inglês pedir esse nível de detalhamento.

Não dar atenção aos adjuntos adverbiais

Sabe aquela história que para entender determinado assunto de forma completa você precisa saber de 5 fatores? Você também pode aplicá-los em inglês – quando (when), onde (where), quem (who), como (how) e por que (why).

Cair na pegadinha do to make e to do

Essas duas palavras causam muita confusão entre os brasileiros (e não é para menos, já que os dois verbos – do e make – indicam “fazer”). Entretanto, como você deve imaginar, as aplicações são um pouco diferentes.

O make, por exemplo, é mais utilizando para produzir algo (como make dinner). Por outro lado, o do se relaciona a coisas mais abstratas (como do well [=ter sucesso]).

E olha que esse é só um exemplo! As palavras “sinônimas” com aplicações diferentes acontecem muito em inglês, então é bom ficar de olho para não tropeçar e acabar perdendo alguns pontos de bobeira!

Confundir as pronúncias parecidas

As questões de listening também podem representar uma verdadeira armadilha em alguns casos. Se você já conversou com alguém em inglês, é bem provável que tenha entendido uma coisa diferente pela pronúncia – isso acontece com uma frequência maior do que gostaríamos.

Enfim, uma boa pronúncia e um bom conhecimento prévio são uma combinação que faz muita diferença e pode ser definidora nesse momento. Fique de olho para não cometer alguns erros de tradução e acabar interpretando tudo errado na prova de inglês!

Enganar-se com os falsos cognatos

Chegamos ao ponto que talvez seja a principal pegadinha das provas: os falsos cognatos. Por terem uma expressão quase igual no Brasil, acabamos achando que ela significa o mesmo em inglês. Ledo engano! Como diriam alguns: “pegadinha do malandro”.

Para não errar nesse sentido, é bom conhecer o que cada palavra significa, mesmo tendo grafias bem parecidas. Veja algumas delas:

Actually: muitas pessoas caem no engano de achar que se refere a atual ou atualmente. Por mais que a escrita seja muito parecida, ela se refere a  algo como “na verdade” ou “realmente”. Bem diferente, né?

Parents: a palavra é usada para designar os pais e não os parentes como muitas pessoas pensam.

Eventually: o hábito faz com que essa palavra seja traduzida como eventualmente. Mais um erro! Na verdade, ela significa “finalmente”.

Esquecer que a palavra pode ter vários significados

Assim como em português, uma palavra pode significar mais que uma coisa em inglês também. Algumas pessoas acabam ficando presas ao significado mais comum e acabam esquecendo que essa pode ser uma grande cilada.

A palavra season é um ótimo exemplo. Ela pode significar as estações do ano (como a maioria das pessoas já conhece) e também uma temporada de série ou campeonato de futebol.

Assim como ela, existem várias outras palavras com outros significados. Interest, por exemplo, pode significar interesse e juros. Você sabia dessa?

Não colocar os famosos verbos auxiliares

Aprendemos inglês ouvindo falar dos verbos auxiliares a todo tempo. Ainda assim, na hora de formular frases ou textos importantes, acabamos esquecendo-nos deles. Os mais comuns são: do, does, don’t, doesn’t, will, was/were e have.

Como o nome indica (mas sem pegadinha nenhuma nesse caso), os verbos auxiliares têm justamente a função de auxiliar. É deles o papel de fazer com que a frase faça um sentido completo.

Ainda assim, como essa realidade não é comum para nós, acabamos nos esquecendo. É muito comum ver como as pessoas esquecem dessas palavras na hora de fazer perguntas, por exemplo.

Ter desatenção quanto aos tempos verbais

O tempo que determinada ação aconteceu pode mudar todo um contexto e transformar a história. Portanto, fique sempre atento ao tempo da ação e qual é a sequência correta dos fatos. Afinal, esses detalhes podem fazer com que você escorregue na prova de inglês.

Acredite: algumas pessoas erram uma questão por não se atentarem ao “past perfect” e ao fato de uma determinada ação ter acontecido antes de outra.

Não estudar os phrasal verbs

Ah, se as pessoas soubessem como os phrasal verbs são importantes, dariam mais atenção a eles enquanto aprendem e estudam inglês. Para quem não sabe, eles são formados por verbos somados a uma preposição ou advérbio.

Ficou confuso? Calma que te explico melhor!

Um exemplo é o take off, que significa tirar ou decolar. Quem não fala inglês, acaba ficando um pouco perdido. Até porque as duas palavras juntas podem não dar a noção de significado que um phrasal verb tenha.

Conhecer gírias e idioms

As expressões comuns da rotina de quem fala inglês também podem cair na prova de inglês (e normalmente caem). É isso mesmo! Se você não sabia disso, então pode se preparar, pois elas podem ser verdadeiros diferenciais e definir quem sabe mesmo de quem sabe mais ou menos – que é justamente o que as provas fazem.

A expressão “to call it a day” pode ser muito comum, mas significa algo bem diferente da tradução literal. Para você ter noção, ela significa ter uma tarefa finalizada. Como você pode perceber, um prato cheio para uma pegadinha!

Esquecer que o yet pode ter variações

O yet é uma palavrinha tão pequenininha que pode acabar passando despercebida. Sua usabilidade mais comum é relacionada ao “ainda”, principalmente quando vem no final da frase.

A pegadinha aparece quando ela vem no começo da frase. Nesse caso, ela significa “entretanto”.

Anotou essa? Assim fica mais fácil ficar ligado e não errar nesse sentido!

Não dar atenção aos pronomes relativos

Os pronomes relativos têm um papel muito importante e são usados para evitar aquela repetição chata de palavras. Ainda assim, é bom tomar cuidado e usar da forma correta. O which é uma opção muito importante, mas deve ser usada apenas para coisas e animais. Ex: I bought a pen which is very cute!

Em seguida, o who/whom é outra opção muito usada, mas seu emprego é restrito às pessoas.  Ex: I met the boy who was the Champion last week.

Para fechar, o whose é outra opção muito importante e que pode aparecer mais que você imagina. Ele é usado em sentenças interrogativas significando “de quem?” Ex: Whose books are these? .

Não dedicar tempo aos pronomes

Aproveitando que o assunto são os pronomes, vale lembrar que você deve dar um destaque a eles. Fique de olho ao que o pronome faz referência (e nesse caso todo pronome, e não só os relativos, como falamos acima).

Além disso, os pronomes demonstrativos ainda fazem muitas pessoas tropeçarem. Lembre-se que o this/these serve para algo ou alguém próximo de quem está falando e o that/those algo ou alguém longe.

Agora você tem um material riquíssimo em mãos e consegue se preparar de forma muito melhor para sua próxima prova de inglês. Tome cuidado com as escorregadas mais comuns e saia muito na frente dos seus concorrentes.

Se você gostou do nosso conteúdo e quer acompanhar outras dicas do mesmo nível, que tal curtir a nossa página no Facebook? Garanto que vai ficar bem mais fácil se inteirar de tudo! Te encontro por lá!

Comentários